28/04/2013

Arquipélago

Revisitando e reconsiderando, em dias de tristeza e recobro longínquo

(2007)

o meu coração é um arquipélago
(antigo)
de ilhas encantadas

uma solidão
de ilusões separadas

vagueia pelo mundo esquecido,
sonho duro de inquietude

não está nu, todavia;
é antigo
não enfermo

e não pode afogar-se em mágoa,
pois que se encantou

é todavia possível
que este arquipélago antigo
iluda a morte
com o seu sorrir de histórias
(murmuradas)

o meu coração é um velho vacilante
de mil vozes enlevadas.