30/11/2010

Bilhete de Identidade



por Mahmoud Darwish

Escreve!
Sou árabe
e o meu bilhete de identidade é o número cinquenta mil.
Tenho oito filhos
E o nono chegará no fim do verão.
Terás raiva?

Escreve!
Sou árabe
Trabalho com os meus camaradas numa pedreira
Tenho oito filhos
Trago-lhes pão
e roupas e livros
a partir das rochas...
Não suplico caridade no teu alpendre,
nem me humilho à entrada do teu quarto.
Então, terás raiva?

Escreve!
Sou árabe
Tenho um nome sem título
Paciente num país
onde todos estão furiosos
As minhas raízes
estavam enterradas antes do nascer do tempo,
antes do início das eras,
antes dos pinheiros e das oliveiras,
e antes da relva crescer.

O meu pai descende da família do arado,
Não de uma classe privilegiada.
O meu avô era um agricultor,
Não era bem-criado ou bem-nascido!
Ensina-me o orgulho do sol
antes de me ensinar a ler
e a minha casa é como a cabana de um vigia
feita de ramos e canas
Estás contente com o meu estatuto?
Tenho um nome sem título!

Escreve!
Sou árabe.
Roubaste os pomares dos meus antepassados
e a terra onde cultivei
ao lado dos meus filhos.
Nada nos deixaste
A não ser as rochas...
E o Estado levá-las-á,
Como têm dito?

Portanto!
Escreve no topo da primeira página:
Não odeio os seres humanos
nem invado o seu espaço.
Porém, se tiver fome,
A carne dos usurpadores será o meu alimento.
Cuidado.
Cuidado
com a minha fome
e a minha fũria!